RESTITUTION ART LAB 

OU A DEVOLUÇÃO DOS
BENS CULTURAIS AFRICANOS

SEGUIR VIAGEM

Esta viagem começou com as primeiras produções em Moçambique e Angola. O projecto PAST / PRESENT / FUTURE CAMEROON iluminava a história colonial alemã e os seus efeitos sobre os camaroneses até aos dias de hoje. Juntamente com os nossos parceiros dos Camarões surgiu então a ideia de nos envolvermos mais activa e artisticamente na "restituição dos bens culturais africanos". Este novo projecto reflecte, muito concretamente, o passado, presente e futuro da nossa ligação a diferentes sociedades africanas.

Como e porquê foram obtidos os bens culturais africanos? Qual é o seu significado hoje e para quem? Quem os reclama e com que fundamento? Paradise Garden participa na discussão cultural e política, juntamente com os seus parceiros portugueses, bem como parceiros de Angola (antiga colónia portuguesa) e dos Camarões (antiga colónia alemã). Com o projecto PANDORA e a apresentação da investigação que dele resultou, criámos um importante alicerce baseado em factos concretos e que pretende contribuir para o aprofundamento do debate.

pglogo_strich

BREAKING NEWS: Dez dias após a nossa semana intensiva no Volksbühne e os nossos eventos públicos a 17 e 18 de Junho no Salão Vermelho do Volksbühne de Berlim, recebemos a grande notícia por excelência: A Fundação do Património Cultural Prussiano anunciou que a figura de "Ngonnso" será devolvida aos Camarões. Que sucesso! Após 30 anos de esforço, agora está feito. Estamos todos muito felizes, especialmente Sylvie Njobati e a comunidade NSO. Para Sylvie, a viagem a Berlim valeu especialmente a pena. Mas apesar de toda a alegria, este só pode ser um primeiro passo no que ainda é um caminho muito longo. A actual discussão sobre a restituição de bens culturais deve ser acelerada através de mais contribuições artísticas desafiantes.

A actual discussão sobre a restituição de bens culturais deve ser acelerada por uma contribuição artística sofisticada.
O objectivo é abordar as pessoas que ainda não lidaram com a questão e permitir uma compreensão do complexo tema através de uma abordagem artística. Evidentemente, a história colonial deve também tornar-se visível no processo. Os bens culturais devem ser registados digitalmente e tornados livremente acessíveis ao público. Este é um pré-requisito essencial para que as sociedades de origem possam mesmo descobrir onde estão armazenados os seus objectos. Como não se pode alterar a história, só se pode explicá-la. A investigação de proveniência deve ser mais avançada e apoiada com financiamento público. Os resultados devem ser tornados visíveis através de exposições. As restituições devem ser utilizadas - com a participação de todas as sociedades envolvidas - para desculpas e reparações pelos erros da era colonial. É necessário um amplo debate público na Europa e nos países de origem para iluminar as diferentes dimensões da arte, cultura e religião. Quando nos damos conta de que centenas de milhares de objectos culturais estão armazenados em museus alemães, torna-se claro que o debate sobre a restituição é também sobre uma questão de distribuição desequilibrada do capital. A restituição dos bens culturais africanos deveria servir para ambos os lados para abordar mais aprofundadamente as relações assimétricas que ainda existem entre as antigas potências coloniais e para iniciar um debate permanente sobre as causas dos conflitos actuais.

IMG_5342

Foto: Florian Ritter de cima esquerda para baixo direita: Christine Wünsch, Jens Vilela Neumann, Landry Nguetsa, Tila Likunzi, Ana Lucao, Kitty Furtado, Inês Beleza Barreiros, Sylvie Njobati, Phillip v. Rothkirch, Luka Mukhavele, Aline Frazão 

pglogo_strich

ART LAB INTERLIGA E DESENVOLVE FORMATOS ARTÍSTICOS

Com este projecto, processamos artisticamente a discussão sobre os bens culturais roubados durante a era colonial utilizando exemplos concretos e tornamo-los acessíveis a um vasto público. Para preparar e realizar o RESTITUTION ART LAB - um híbrido de teatro, performance, documentação cinematográfica e simpósio - artistas de Berlim, Yaounde (Camarões), Luanda (Angola) e Lisboa (Portugal) reuniram-se durante uma semana no Volksbühne de Berlim, em Junho de 2022. Um workshop fechado com artistas e especialistas, assim como uma performance com discussões com o público.

Os resultados são gravados em filmes, textos, fotografias e colagens áudio.

pglogo_strich
IMG_6448

Camarões: Sylvie Njobati é ativista e artista multimédia que explora o potencial das artes como catalizador para a mudança. Inspirada pelas múltiplas camadas da sua própria crise de identidade, Sylvie está actualmente a liderar a luta contra as injustiças coloniais com enfoque na restituição de Ngonnso.
A sua campanha #BringBackNgonnso faz uso de novos media para amplificar as vozes dos povos originários na questão das restituições. Produziu vários filmes, visitas áudio, peças de teatro e fez a curadoria de vários eventos artísticos, tanto a nível local como internacional. Gosta de fotografia e escrita.

IMG_20160318_082704636 2

Angola: Tila Likunzi (b. 1982) vive e trabalha entre Luanda e Bona. É curadora e investigadora independente. Antes de se dedicar à arte, trabalhou durante muitos anos como tradutora, intérprete e revisora de textos. Em 2021 co-fundou (com a artista Iris Buchholz Chocolate) a plataforma digital de pesquisa e publicação em arte e educação Lugânzi, The Living Archive. Tila não só faz curadoria de arte contemporânea de Angola, mas também se dedica ao estudo e pesquisa da filosofia africana contemporânea e dos sistemas de crenças e formas de ser africanos. A sua prática curatorial é baseada no processo e na investigação, centrando-se nos pontos comuns entre a arte contemporânea de África, a teoria crítica e as práticas decoloniais. Utiliza som, vídeo, fotografia e filme como linguagens artísticas e curatoriais. @tilalikunzi www.luganzi.net

Foto2

Portugal: Inês Beleza Barreiros é uma historiadora de arte e crítica cultural interessada na forma como a colonialidade do ver sustém a colonialidade do saber. Enquanto assessora politica no parlamento português, Inês esteve envolvida na elaboração de uma emenda ao Orçamento de Estado de 2020, que propunha a constituição de uma comissão para fazer um inventário dos objectos africanos à guarda de instituições públicas portuguesas. Actualmente, é investigadora na Universidade NOVA de Lisboa e editora da revista LA RAMPA - Art, Life and Beyond. Tem também trabalhado como argumentista de filmes que exploram a relação do cinema com as outras artes.

PastedGraphic-1

Alemanha: Melwin Funk é estudante de arte, actualmente no seu 5º semestre, na Academia de Arte de Dusseldorf. Estuda cenografia com a Professora Lena Newton. Melwin gosta de filmar,  escrever e explorar diferentes práticas escultóricas.

Landry (1)

Camarões: Landry Nguetsa é um artista, escritor, actor e realizador camaronês. Licenciou-se em artes performativas e cinematográficas na Universidade de Yaoundé. Participou e dirigiu oficinas de escrita e representação nos Camarões e internacionalmente. É autor de várias peças e performances, actor principal da série televisiva "Remember" e vencedor de vários prémios. Trabalhou com grandes nomes do teatro, como Dieudonné Niangouna, no Berliner Ensemble.

 

Jaliya the bird (1)

Angola: Jaliya The Bird é uma escritora, poeta e performer angolana. A sua obra explora a experiência de ser Mulher, Negra e Africana criando um espaço onde a história, a política e a antropologia se cruzam. Considera que é revolucionário contar histórias a fim de perturbar, destruir, construir narrativas e arquivar a existência. É apaixonada pelas ideias de existência colectiva, liberdade e autenticidade e acredita ser essencial viver a vida a partir da nossa própria essência à medida que se responde às causas que nos movem. O seu premiado filme de “spoken word”, Idle Worship, realizado por Ariel Casimiro (Usovoli Cinema), foi exibido em vários festivais internacionais de poesia e curtas- metragens. @Jaliyathebird, jaliyathebird.com 

kitty

Portugal: Kitty Furtado nasceu em Angola, filha de pai cabo-verdiano e mãe portuguesa. É doutorada em Estudos Culturais, pela Universidade do Minho, com a tese Alteridade e identidade na ficção cinematográfica em Portugal e Moçambique, mestre em Ciências da Educação pela Universidade de Aveiro, e licenciada em Teatro pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Como entusiasta dos estudos culturais, Kitty dedica-se à diluição das fronteiras entre academia, artes e sociedade civil através de projectos sobre processos de alteridade, memória social, raça e género, numa perspectiva decolonial.

P1444181 (1)

Alemanha: Jens Vilela Neumann reúne e coordena os numerosos parceiros do projecto e os resultados artísticos. Ele é um realizador de teatro que trabalha com vários parceiros (inter) a nível nacional como realizador, escritor ou actor. Tem trabalhado com Landry Nguetsa desde 2018. Em 2019, realizou com ele o projecto "Passado, Presente, Futuro - Camarões" sobre o passado colonial alemão; em 2020 o projecto "Pandora - o regresso do património cultural" e em 2021 o projecto "Partida? - intercâmbio cultural, apesar e sobre a Corona". "Partida?" foi implementado em conjunto com parceiros de Moçambique, Zimbabwe, Tanzânia, Camarões e África do Sul. Em Angola, encenou a peça "Miguel K. quer Justica", uma adaptação da novela de Heinrich Kleist Michael Kohlhaas de José Eduardo Agualusa.

Juvenil

Camarões: Juvenil Assomo é um dramaturgo e escritor camaronês. Em 2014 concluiu o seu mestrado na Universidade de Yaoundé 1. Durante os seus estudos de pós-graduação Assomo escreveu numerosas peças de teatro e actuou em várias produções teatrais. Em 2018, foi laureado com o prémio literário do Goethe-Institut, em Yaoundé, nos Camarões, bem como com um Visa pour la Création do Institut Français, em Paris, em 2020.

AF_DaryanDornelles7

Angola: Aline Frazão é uma cantora, compositora, produtora e intérprete angolana. Nascida e criada em Luanda, em 1988, lançou cinco álbuns originais e compôs a banda sonora do filme angolano "Air Conditioner". Além do seu trabalho a solo, também faz parte da Julia Hulsmann Oktett e está actualmente em digressão com a performance "Amore", da companhia de teatro italiana Pippo Delbono. Aline publicou alguns contos e ensaios de ficção. Estudou Comunicação na Universidade NOVA de Lisboa e é membro do Colectivo Feminista Angolano Ondjango Feminista.

SONY DSC

Suíça: Robert Rickli estuda arte na Academia de Arte de Dusseldorf, focando-se na temática do jogo, a ecologia e a compostagem. Nos últimos anos tem estado intensamente envolvido em trabalho colectivo, nomeadamente através de uma performance expansiva (Beelines, Theater der Welt 2021) e de uma exposição interactiva (Potent Ground, 2021). É também um activista político pela justiça climática.

IMG_0870

Holanda: Mystha Mandersloot é uma actriz, professora e directora de teatro holandesa. Está no seu último ano de estudos em Teatro e Educação na Universidade das Artes de Utrecht (HKU). Enquanto estudante, fez várias peças de teatro e actuou em várias produções teatrais. Através do teatro, Mystha explora tabus sociais no sentido de fomentar a sua discussão.

WhatsApp Image 2022-05-23 at 13.58.58
Berlin-Mitte, Gesundbrunnen, OPZ: “Zum guten Menschen”- Februar 2021
P1499434

Alemanha/Colômbia: Àlvaro José Sánchez Rosero é um jovem actor de Berlim. Nasceu na Colômbia, frequentou a Montessori Oberschule Potsdam e depois a Film & Media School Babelsberg. Desde os seus tempos de escola que tem sido entusiasta do teatro e da representação. Para PG e o conjunto do "Zerstreute" foi visto na produção de "Zum guten Menschen" (Ao bom homem). Entre outras coisas, Álvaro José tem estado sob contrato com a agência para jovens actores "le und la" com Lale Nalbant, em Colónia, desde 2021. 

Alemanha: Christine Wünsch é de Berlim, estudou teatro e musicologia e tem actuado desde a sua juventude. Participou em várias produções do PG, mas também como co-actor em produções do Deutsches Theater Berlin. No seu tempo livre, toca vários instrumentos, é saxofonista de uma grande banda e tem alguma experiência na condução coral.

Alemanha: Philipp v. Rothkirch é um mutiinstrumentista / compositor / produtor / terapeuta e professor de música. Produziu um CD de canções de embalar de todo o mundo (Heart Tones - canções de embalar de todo o mundo) e contribuiu com uma composição para o álbum do aniversário da "Fanfare Ciocarlia" (Roménia). Este álbum foi galardoado com o "BBC Songlines Music Award" como melhor álbum de música mundial em 2022. Para o conjunto do "sTrotzenden" do PG, já acompanhou três peças como músico.

IMG_1709
Luka on Mbvoko
RESTITUTION IMAGE work 4

Alemanha/Angola: Ana Lucao é uma poetisa de 23 anos, bailarina, estudante e assistente social escolar. Desde 2019 ela tem estudado pedagogia da fala e a arte de contar histórias na área social trabalho. Trabalha actualmente numa escola em Berlim, mas é também uma poetisa de palavras faladas, uma dançarina e está envolvida no teatro. Ela é muito apaixonada pela sua arte e pelo seu Os tópicos favoritos são a língua e a identidade. No ano passado, ela participou no teatro peça "Akzeptanz Berlin" e publicada em texto em "Sisters and Souls 2" editado por
Natasha A. Kelly.

Moçambique: Luka Mukhavele é um musicólogo e artista moçambicano com mais de 30 anos de experiência em pesquisa, ensino e performance musical. Luka está empenhado na descolonização e revitalização das culturas musicais africanas, combinando as suas abordagens introspectivas e empíricas com as "convencionais" para contrariar a universalização dos conceitos, paradigmas e epistemologias ocidentais em musicologia e ciência em geral. Compõe, toca, produz e ensina musicologia (africana) baseada em instrumentos africanos como o xitende, mbira, xizambi, xigoviya e marimba, bem como instrumentos auto-desenvolvidos - mbvoko, mbira e ndhondhoza - como novos instrumentos didácticos para o discurso contemporâneo a serem integrados no conhecimento científico e na prática da música. www.mukhambira-musical.online

 

pglogo_strich
11-6a_III_C_1255_-Rio-710×1024

Exemplo Angola: Chibinda Ilunga

O Museu Etnológico de Berlim alberga uma das mais antigas colecções de arte angolana do mundo. Juntamente com o Goethe-Institut Angola, o Museu Nacional de Antropologia de Luanda e o Museu Etnológico de Berlim (SMB/SPK) iniciaram uma parceria em Dezembro de 2018 para reactivar e investigar conjuntamente as importantes colecções angolanas em Berlim e Luanda. Entre outras coisas, o Museu Etnológico de Berlim aloja a escultura icónica do herói cultural Chibinda Ilunga, considerado o fundador dos reinos Lunda e Chokwe. A história de Chibinda Ilunga fará parte do RESTITUTION ART LAB.

81c959a14ca78a7014_III C 15017 -C

Exemplo Camarões: Ngonnso

RESTITUTION ART LAB será também dedicado à figura de Ngonnso. A figura de madeira, retratada de pé e coberta de contas, considerada, no Kumbo, como a imagem ou encarnação da ancestral fundadora dos Nso' (grupo étnico dos Camarões), chegou a Berlim em 1902, durante o período colonial alemão em circunstâncias difíceis de apurar, através do oficial prussiano Kurt von Pavel. Na nossa investigação PANDORA explorámos a sua história mais detalhadamente. Agora gostaríamos de apresentar as actuais acções, conflitos e aspectos relativos a Ngonnso.

pglogo_strich

REFLEXÃO E AUTO-CRÍTICA

Paradise Garden recebeu financiamento do Ministério dos Negócios Estrangeiros alemão para o RESTITUTION ART LAB. Indirectamente, nós próprios lucramos com a injustiça existente, tal como qualquer investigador que receba um salário pelo seu trabalho com as suas investigações sobre bens culturais. Contudo, não exactamente da mesma forma que os museus, que exibem as colecções injustamente adquiridas e lucram com a venda de bilhetes. Sabemos também que os eventos artísticos ou eventos com o objectivo de fomentar o diálogo (tais como conversas de peritos, painéis de discussão, etc.) servem muitas vezes como "tácticas de bloqueio ou de adiamento" das instituições responsáveis para impedir a restituição efectiva.   O diálogo é, na verdade, uma estratégia colonial para silenciar as exigências de reparação que existem pelo menos desde o século XVIII. É mais fácil e mais económico investir em projectos que dêem a imagem de se estar "fazer algo sobre a dívida histórica" do que pagar a própria dívida.  Apesar destas contradições, decidimos trabalhar sobre a questão com as nossas próprias metodologias artísticas.

pglogo_strich

E isto porque acreditamos que a sociedade europeia não pode mais continuar a desenvolver-se enquanto as injustiças comitidas no passado não forem enfrentadas e resolvidas.

RESTITUTION ART LAB aborda a questão da restituição dos bens culturais africanos num contexto internacional. O que liga, enquanto herança comum, Estados-nação da Europa é a exploração das colónias. O capital adquirido a partir desta exploração constitui ainda hoje a base da nossa riqueza e da desigualdade entre o Norte e o Sul Globais. A exigência de RESTITUIÇÕES é, portanto, apenas uma peça do puzzle -- como o são outras exigências pós-coloniais, como o cancelamento de dívidas históricas, a remoção de estátuas, monumentos e nomes de ruas racistas, a ereção monumentos às vítimas de crimes coloniais, a abolição do "privilégio branco". Reparar exige um constante questionamento e desaprendizagem dos métodos coloniais através dos quais o conhecimento e, consequentemente, o poder foram e são reproduzidos ainda hoje.

RESTITUTION IMAGE work 6
pglogo_strich
RESTITUTION IMAGE work 1
RESTITUTION IMAGE work 3

STATUE DREAMS
By Juvenil Assomo (Author of "past,present, future Kamerun")

In the name of the voice of my rebellious silence

In the name of my wordless death buried on the derm of my destiny

A holy day the sun on the pantheon of an amazing smile

This bunch of radiance that begets genius

A holy night day going to slumber

To fertilize the most beautiful jewels of our ebony striped goddesses

Maternate the most terrific masks that sweep our worries

The eyes blossomed with gold

Glancing our revered statues

Perched on the thrones 

Blessed by the magic vows of our manes

Blacksmith

Forge of Treasure

Forge clever son of my blood

A metal for our delirious passions which taunt the spit of Bismarck and its colonial choir

Forge of Forces

Forge pretty iron weaver 

The arrows and amulets that shall sing on the battlefield 

The praises of the millennial totem

––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

 I am already dead

All this time lacerated in this touristic jail for the curious

All these strangers who fondle me with admiration

Chewing the pleasure of their domination

RAPE

They raped me

They have ... where are you justice?

They eye me yes they eyed me: Oh a piece of bronze!

They palpated me ocean of shame They palpate me: Exotic African wow!

Relic of their murderous heroes who fiddled with the breasts of Africa to wring its millennial milk

Horror

I am not a Negro artwork which fertilizes a Negro art

My name

Illegal immigrant

Yes I am the most beautiful slave of their tears and their hurrahs of Versailles

I am sentenced to life 

Buried in a luxuriant cage 

A little sound to break the chains of my silence

These couplets that murmur my dis-exhibition

Time

In the morning of my dreams I see

I see from the bottom of my handcuffed silence

From the abyss of my simmered death

Patiently gripped by the deaf tears of my drunk land

Earth I still remember 

Joy Pain and trance of Torments

I still remember

Your scent

Scent of peace

Scent of joie de vivre

Scent of wisdom and bravery

The multicolored dances in my Africa 

The mean stares of the Kings of my jewel-case continent

Scent

See you macerated in the flames of their mad ambitions

Terrified amongst the trampled bodies

Raped

Robed

Cargoes crumbling under the despair of your wealth who cried who cried who are crying 

––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

These prophetic choruses that rustle around me

These media and clever lunatics who sing and chant my liberation 

Free the condemned for life! Let her go back to her cowards

Don't cry for me

It has been a long time since my life has slammed the door.

They stole my destiny

Precious rubbish that decorates the Berlin wind

That flows in the Seine of Paris 

That parades on the envies of Buckingham

Don't cry anymore for my worth

Show me to the sea-tears from my Africa

Where are their tears?

Where are the tears-family?

Free the condemned for life, let her go back to her cowards

Will I still recognize the piece of nostalgia where my umbilical cord sleeps badly?

Will they recognize me? 

Will they come and lull me?

Singing together

As Afo Akom “the prodigy is back”?

Always my insane despair

Facing the orgy of my peacefully impotent Africa-pistol 

Soaked in the tears of her oppressed journey

From the hell of Gorée to the mayday trumpets of He’ro-Nama

From emptied pride of Lock Priso to the whitened beaches of Swakopmund

Deaf 

I hear souls whining to offer a little melody to deaf-mutes

Tears

I see the sky shining and withering on the head of my darling disarray

Sea

I murder my hopes cursing the waves which shape urbi and orbi the face of my romantic clearance in the manors of the great

Lord!

Been so long

Tired of waiting their sweating love voices 

Long time ago that I fade in these trunks

That the fate has misled me

Oh life has dropped me to relish with handsome politico and collectors

––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

Gathering our tam-tam hearts so that together we can knead a new Africa with our sweat

So that united in forgiveness I breathe into them everything that a museum life has taught me


Hooooomeeeee, Where do I go when I can’t go oo Home? 


World


It has been so long since my life has slammed the door

So let me become a star

I am no longer the pride of the Rhine

I am no longer the complaint of the Sahara

I am just

A sober star

A little memory drooling with the desire to write a new dream on the lips of the world

I am...

A griot

I want

To tell the story of a future world in all the languages ​​of the world

All…

Before the midnight of my StatueDreams

pg_Ruckgabe_Afrika (2)
pglogo_strich

Com o apoio amigável de:

Auswärtiges_Amt_Logo.svg
vb_rg5_fassade_4964m
GoetheInstitut_2011.svg